quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Semente

Faz um tempo que não faço nenhum post... Bem, há várias razões que me levaram a afastar-me um pouco do mundo virtual e de meus trabalhos com a Fulô de Crochê... Mudei de cidade e de estilo de vida (saí de São Paulo a cerca de 8 meses e atualmente vivo em Paraty/RJ), experimentei outros fazeres e saberes (além de artesã e geógrafa, sou cozinheira... me aventurei a experimentar como ofício essa habilidade)... Enfim, resolvi tomar outros rumos. Vou retomar em breve as atividades por aqui, atualmente pesquiso e estudo muito outras artes manuais (tecer além do crochê... novidades virão...).
Até o momento dessas novidades chegar vou apresentar pouco pouco do que ando conhecendo e descobrindo por Paraty.
Ontem tive o privilégio e o prazer de conhecer de perto o trabalho do Teko. Ele tem um charmoso ateliê no caminho da Vila de Trindade que se chama Semente. Passei uma manhã por lá e soube um pouco de suas artes... Ele faz coisas lindas (criações em moda e design) com retalhos de tecidos. São peças exclusivas e únicas. Borda poesias nas peças! Imagina? Tudo muito lindo e profundamente inspirador! Quem vier visitar Paraty não pode desperdiçar a oportunidade de visitá-lo e adquirir alguma peça (ele tem um blog e por lá é possível saber mais sobre esse maravilhoso trabalho, vende também pela internet). Abaixo há algumas fotos para acordar a curiosidade






domingo, 18 de dezembro de 2011

Liquida de verão

Produzi algumas peças de meu catálogo para a pronta entrega (meus trabalhos são feitos em quase sua totalidade sob encomenda e sob medida) neste verão. Há uma seção de minha lojinha dedicados a eles: Liquida-Pronta Entrega-Descontos Especiais. Nesse álbum todos os trabalhos possuem descontos que variam de 20% à 30% (somente nas cores e na numeração disponíveis em cada produto da seção Liquida-Pronta Entrega-Descontos Especiais).




quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Feira Nacional de Artesanato

Belo Horizonte receberá, entre os dias 22 e 27 de novembro, a 22ª edição da Feira Nacional de Artesanato, com o tema “São Francisco: O Rio e O Santo”. Estarei presente nessa feira e presto minha singela homenagem a essa figura que se dedicou aos mais pobres dos pobres multiplicando o amor ao homem e a natureza. Viva São Francisco!


Oração:
Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor,
Onde houver ofensa , que eu leve o perdão,
Onde houver discórdia, que eu leve a união,
Onde houver dúvida, que eu leve a fé,
Onde houver erro, que eu leve a verdade,
Onde houver desespero, que eu leve a esperança,
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria,
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, fazei que eu procure mais
consolar que ser consolado;
compreender que ser compreendido,
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe
é perdoando que se é perdoado
e é morrendo que se nasce para a vida eterna...







Fulô de Crochê
na
22ª edição da Feira Nacional de Artesanato
stand 646



Rio São Francisco por Ronaldo Fraga






Águas e Mágoas do Rio São Francisco
Está secando o velho Chico.
Está mirrando, está morrendo.
Já não quer saber de lanchas-ônibus
nem de chatas e seus empurradores.
Cansou-se de gaiolas e literatura encomiástica e mostra o leito pobre,
as pedras, as areias desoladas
onde nenhum minhocão
ou cachorrinha-d’água,
cativados a nacos de fumo forte,
restam para semente
de contos fabulosos e assustados.

Ei, velho Chico, deixas teus barqueiros
e barranqueiros na pior?
Recusas frete em Pirapora
e ir levando pro Norte as alegrias?
Negas teus surubins,
teus mitos e dourados,
teus postais alucinantes de crepúsculo
à gula dos turistas?
Ou é apenas seca de junho-julho
para descanso
e volta mais barrenta na explosão
da chuva gorda?

Já te estranham, meu Chico. Desta vez,
encolheste demais. O cemitério
de barcos encalhados se desdobra
na lama que deixaste. O fio d’água
(ou lágrimas?) escorre
entre carcaças novas: é brinquedo
de curumins, os únicos navios
que aceitas transportar com desenfado.
Mulheres quebram pedra
no pátio ressequido
que foi teu leito e esboça teu fantasma.

Não escutas, ó Chico, as rezas músicas
dos fiéis que em procissão
imploram chuva?
São amigos que te querem,
companheiros que carecem
de teu deslizar sem pressa
(tão suave que corrias, embora tão artioso
que muitas vezes tiravas
a terra de um lado e a punhas
mais adiante, de moleque).
É gente que vai murchando
em frente à lavoura morta
e ao esqueleto do gado,
por entre portos de lenha
e comercinhos decrépitos;
a dura gente sofrida
que carregas (carregavas)
no teu lombo de água turva
mas afinal água santa,
meu rio, amigo roteiro
de Pirapora a Juazeiro.
Responde, Chico, responde!

Não vem resposta de Chico,
e vai sumindo seu rastro
como rastro da viola
se esgarça no vão do vento.
E na secura da terra
e no barro que ele deixa
onde Martius viu seu reino,
na carranca dos remeiros
(memória de outras carrancas,
há muito peças de living),
nas tortas margens que o homem
não soube retificar
(não soube ou não quis? paciência),
de pontes sobre o vazio,
na negra ausência de verde,
no sacrifício das árvores
cortadas, carbonizadas,
no azul, que virou fumaça,
nas araras capturadas
que não mandam mais seus guinchos
à paisagem de seca
(onde o tapete de finas gramíneas,
dos viajantes antigos?),
no chão deserto, na fome
dos subnutridos nus,
não colho qualquer resposta,
nada fala, nada conta
das tristuras e renúncias,
dos desencantos, dos males,
das ofensas, das rapinas
que no giro de três séculos
fazem secar e morrer
a flor de água de um rio.


"Discurso de Primavera e Algumas Sombras" - 1978
Carlos Drummond de Andrade

São Francisquinho